Infecções e câncer: o que você deve saber

Infecções comuns, como as que causam resfriado comum, infecções na garganta, algumas condições da pele ou doenças diarréicas, não causam câncer ou aumentam a probabilidade de ocorrência de câncer. No entanto, infecções com tipos específicos de vírus, bactérias ou parasitas podem aumentar o risco de um indivíduo para certos tipos de câncer.
Infecções e câncer: o que você deve saber

Estima-se que a infecção represente cerca de 15 a 20% de todos os cânceres em todo o mundo, de acordo com a Sociedade Americana de Oncologia. A taxa tende a ser maior nos países menos desenvolvidos, em parte porque alguns tipos de infecções são mais comuns nesses países e em parte porque as imunizações para proteger contra certas infecções relacionadas ao câncer estão menos disponíveis.

Existem várias maneiras pelas quais as infecções podem aumentar o risco de câncer de uma pessoa. Os vírus podem entrar nas células e alterar genes associados ao crescimento e divisão celular; certas infecções podem causar inflamação a longo prazo em uma parte do corpo; e algumas infecções diminuem a capacidade do sistema imunológico de combater o câncer.
Embora a infecção por certos agentes possa aumentar o risco de câncer de um indivíduo, a grande maioria das pessoas que adquirem essas infecções não desenvolve câncer. Em muitos casos, as infecções podem ser prevenidas ou tratadas, diminuindo o risco de cânceres relacionados.

 

Infecções bacterianas.

A maioria das formas de bactérias não tem conexão com o câncer, mas algumas estão ligadas à doença. Um deles é o Helicobacter pylori, que causa úlceras e pode inflamar e danificar o revestimento interno do estômago, aumentando o risco de câncer de estômago e linfoma do estômago. Enquanto cerca de dois terços de todos os adultos no mundo estão infectados pelo H. pylori, o câncer de estômago é bastante raro nos países desenvolvidos.

Uma variedade de fatores influencia o risco de um indivíduo de câncer de estômago, principalmente a segurança do suprimento de comida e água.

Alguns estudos demonstraram que mulheres que estão ou foram infectadas com Chlamydia trachomatis podem estar em maior risco de câncer do colo do útero. Essa bactéria comum, geralmente chamada de “clamídia”, pode infectar o trato reprodutivo feminino e outras partes do corpo em homens e mulheres. Pesquisas sugerem que a clamídia não causa câncer por si só, mas interage com o vírus do papiloma humano (HPV) de maneira a promover o crescimento do câncer. Como a infecção por clamídia geralmente não produz sintomas, muitas mulheres que carregam a infecção não percebem que estão infectadas. Se um exame de sangue ou exame pélvico revelar uma infecção por clamídia, pode ser tratado com antibióticos.

Os cientistas começaram a explorar se uma interrupção no equilíbrio natural de bactérias no trato digestivo pode contribuir para o câncer. Em 2011, por exemplo, pesquisadores descobriram que o tecido do câncer colorretal contém altos níveis de vários tipos de bactérias, principalmente a Fuscobacterium nucleatum, que não é encontrada no cólon. Mais recentemente, os pesquisadores descobriram que o Fusobacterium viaja frequentemente com células de câncer de cólon quando se metastatizam para outras partes do corpo.

Sabe-se que dietas saudáveis – ricas em grãos integrais e fibras – parecem proteger contra o câncer colorretal. Um estudo recente sugere que alimentos saudáveis alcançam esse benefício, em parte, alterando as quantidades relativas de vários microorganismos no trato digestivo, incluindo a bactéria Fusssobacterium nucleatum.

 

Infecções virais

Um dos tipos de vírus mais freqüentemente associados ao câncer é o HPV, um grupo de mais de 150 vírus relacionados. Assim como o H. pylori, a infecção pelo HPV é muito comum em todo o mundo. O sistema imunológico geralmente é capaz de limpar ou controlar infecções por HPV e, como resultado, a maioria das pessoas infectadas com HPV não desenvolve cânceres relacionados à infecção.

No entanto, alguns tipos de HPV estão entre as principais causas de câncer do colo do útero e também podem desempenhar um papel nos cânceres da vagina, vulva e pênis. O vírus também está associado ao câncer do ânus e a certos tipos de câncer de boca e garganta.As vacinas podem proteger contra as principais cepas relacionadas ao câncer do HPV e encontra-se disponíveis na rede saúde pública e privada.

Outra infecção viral associada ao câncer envolve o vírus Epstein-Barr (EBV), um tipo de vírus do herpes. A infecção com EBV pode aumentar o risco de uma pessoa ter câncer nasofaríngeo (que se desenvolve na área atrás do nariz) e alguns tipos de linfoma. Muito poucas pessoas que abrigam uma infecção por EBV desenvolverão esses cânceres.

Os vírus da hepatite B e C (HBV e HCV) podem produzir infecções a longo prazo do fígado que aumentam o risco de câncer de fígado. As infecções por hepatite B e C podem ser tratadas com medicamentos, diminuindo o risco de danos e câncer de fígado.

O vírus da imunodeficiência humana (HIV), que causa a AIDS, não causa câncer diretamente, mas, ao esgotar o sistema imunológico, pode aumentar o risco de uma pessoa ter vários tipos de câncer. Estes incluem sarcoma de Kaposi, câncer cervical e certos tipos de linfoma não-Hodgkin, entre outros tipos de câncer. Embora não exista vacina preventiva para o HIV, o uso de medicamentos anti-HIV pode ajudar as pessoas infectadas pelo vírus a reduzir os danos ao sistema imunológico e reduzir potencialmente o risco de desenvolver cânceres relacionados ao HIV.

Compartilhe
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Agendar consulta

Para solicitar uma consulta em nossa clínica é só utilizar o formulário abaixo.
Open chat