Que tipos de câncer podem ser tratados com imunoterapia?

A imunoterapia para o câncer é uma forma de tratamento que usa o sistema imunológico do corpo para combater a doença. Hoje, a imunoterapia está sendo aplicada a uma ampla gama de cânceres, freqüentemente em combinação com outros agentes, e as pesquisas estão explorando maneiras de melhorar e expandir sua eficácia.
Que tipos de câncer podem ser tratados com imunoterapia?

Uma forma particularmente promissora de imunoterapia, conhecida como inibição do ponto de verificação imune (Check points), usa anticorpos para bloquear proteínas nas células cancerígenas, como CTLA4, PD-L1 e PD-L2, que evitam um ataque do sistema imunológico às células. As terapias de anticorpos permitem que esse ataque prossiga.

A imunoterapia já foi aprovada para o tratamento de alguns cânceres nos EUA e alguns também aqui no Brasil. Nem todos os pacientes com esses cânceres são elegíveis para imunoterapia. Uma variedade de fatores – a composição genética das células tumorais, até que ponto o câncer avançou e se respondeu a tratamentos anteriores, por exemplo – determina se e quando pode ser usado como parte do tratamento padrão.

Câncer de bexiga
Pacientes com tumores em estágio inicial, de grau moderado a alto (de crescimento bastante rápido) geralmente recebem uma vacina que consiste em uma bactéria viva enfraquecida chamada bacilo Calmette-Guérin (BCG). A vacina reduz o risco de recorrência do câncer de bexiga, desencadeando um ataque imunológico contra as bactérias e células cancerígenas próximas. Vários inibidores de checkpoints imune foram aprovados para pacientes com câncer de bexiga avançado.

Câncer de mama
Alguns pacientes com câncer de mama triplo negativo avançado podem receber o inibidor de checkpoint, atezolizumabe em combinação com o medicamento quimioterápico Abraxane (nab-paclitaxel).

Câncer cervical (colo de útero)
O inibidor do ponto de verificação pembrolizumab foi aprovado para alguns pacientes com câncer cervical avançado que expressam a proteína PD-L1.

Câncer colorretal
Os inibidores de ponto de verificação podem ser usados ​​em pacientes com câncer colorretal avançado com instabilidade de microssatélite ou classificado como ” MSI- high” ou em qualquer câncer com instabilidade de microsatélite. Os cânceres com “MSI-High” têm altos níveis de instabilidade de microssatélites, uma mudança ou mutação em sequências curtas e repetidas de DNA.

Câncer de esôfago
O inibidor de checkpoint, pembrolizumabe foi aprovado para alguns pacientes com câncer gastroesofágico PD-L1 positivo (ou seja, suas células tumorais carregam a proteína PD-L1, que ajuda as células a evitar um ataque imunológico) ou carcinoma espinocelular do esôfago após progressão a outros tratamentos prévios. O inibidor de checkpoint, pembrolizumabe é usado para tratar subconjuntos de pacientes com câncer avançado de estômago ou gastroesofágico que apresentam resultados positivos para a proteína PD-L1.

Câncer de cabeça e pescoço
Os inibidores de chekpoint nivolumabe e pembrolizumabe foram aprovados para alguns pacientes com câncer avançado de cabeça e pescoço.

Câncer de rins
Substâncias estimuladoras do sistema imunológico chamadas citocinas são usadas há mais de uma década para tratar o câncer de rim. As citocinas interleucina-2 e interferon-alfa fazem com que o câncer de rim diminua em cerca de 10 a 20% dos pacientes, com remissões duradouras em alguns deles.

Outras imunoterapias para câncer de rim incluem:

inibidores de checkpoint :avelumabe, nivolumabe e pembrolizumabe em pacientes com doença avançada; uma combinação de nivolumabe e ipilimumabe, um medicamento direcionado à proteína CTLA-4, para alguns pacientes com câncer renal avançado.

Leucemia
As imunoterapias se tornaram especialmente proeminentes no tratamento de leucemia e outras doenças e cânceres relacionados ao sangue. Um transplante de células-tronco de um doador compatível é considerado uma forma de imunoterapia porque as células produtoras de sangue doadas dotam os pacientes de um novo sistema imunológico que é mais capaz de combater a doença.

Outra estratégia baseada no sistema imunológico da LLA é conhecida como terapia celular adotiva, que trata pacientes com uma infusão de células T CAR, células T geneticamente aprimoradas que provocam um ataque poderoso às células tumorais.

A proteína de sinalização imunológica interferon alfa-2a é aprovada para subconjuntos de pacientes com leucemia de células ciliadas e leucemia mielóide crônica cromossômica positiva para Filadélfia. O interferão alfa-2b é aprovado para alguns pacientes com leucemia de células ciliadas e linfoma não-Hodgkin agressivo.

Câncer de fígado
Os tratamentos de imunoterapia para câncer de fígado avançado incluem os inibidores de checkpoint nivolumabe e pembrolizumabe.

Câncer de pulmão
Vários inibidores de checkpoint – incluindo atezolizumabe, nivolumabe e pembrolizumabe – podem ser usados ​​no tratamento de pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas avançadas.

Linfoma
Os inibidores de checkpoint nivolumabe e pembrolizumabe são usados ​​no tratamento de pacientes com linfoma de Hodgkin clássico, e o interferon alfa-2b é aprovado para alguns pacientes com linfoma folicular. A terapia com células T CAR é aprovada para alguns pacientes com linfoma não Hodgkin, e o tisagenlecleucel é uma terapia com células T CAR para crianças e adultos jovens com leucemia linfoblástica aguda.

Melanoma
O melanoma metastático é o câncer no qual os inibidores de checkpoint imune tiveram seu primeiro avanço. Atualmente, uma variedade de inibidores, incluindo ipilimumabe, nivolumabe e pembrolizumabe, é usada para tratar subconjuntos de pacientes com melanoma avançado. (Nivolumabe e ipilimumabe também são usados ​​juntos em alguns pacientes.) As terapias com citocinas, incluindo aldesleucina, interferon alfa-2b e peginterferon alfa-2b, são terapias padrão para subconjuntos de pacientes com melanoma.

Câncer de próstata
O sipuleucel-T, uma vacina terapêutica feita estimulando as células imunológicas dos pacientes para atingir a proteína PAP nas células do câncer de próstata, pode ser usado para tratar alguns pacientes com câncer de próstata avançado. E o inibidor do ponto de verificação, o pembrolizumabe, é aprovado para alguns pacientes com câncer de próstata avançado classificado como “MSI-High”.

Câncer de pele
Os inibidores de checkpoint avelumab e pembrolizumab são usados ​​para tratar alguns grupos de pacientes com carcinoma de células Merkel avançado; e o inibidor de checkpoint cemiplimab é aprovado para alguns pacientes com carcinoma espinocelular cutâneo avançado. Dois medicamentos conhecidos como adjuvantes imunes – imiquimod e poli ICLC – que aumentam a força da resposta imune são aprovados para alguns pacientes com carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular, respectivamente. Esses medicamentos aumentam a resposta natural do sistema imunológico a esses cânceres.

 

 

 

Compartilhe
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Agendar consulta

Para solicitar uma consulta em nossa clínica é só utilizar o formulário abaixo.
Open chat