Terapia com células T CAR (CAR-T cell ): é ideal para você?

Entenda um pouco mais sobre o tratamento recentemente viabilizado aqui no Brasil pelo grupo de pesquisadores da USP Ribeirão que mostrou resultados animadores

A terapia com células T CAR é um tratamento de câncer no qual as células T do sistema imunológico de um paciente são geneticamente modificadas para montar um ataque mais eficaz ao câncer. Em maio de 2018, a terapia com células T CAR foi aprovada pela Food and Drug Administration dos EUA como terapia padrão para alguns pacientes adultos com linfoma não-Hodgkin agressivo que recidivou após tratamentos anteriores ou que não respondeu a outras terapias (refratárias) e para pacientes com 25 anos ou menos de idade com leucemia linfoblástica aguda de células B recorrente ou refratária. O principal problema da terapia com células CAR T é o custo.

A terapia com células T CAR está sendo testada em ensaios clínicos para pacientes com certos tipos de leucemia, linfoma ou mieloma múltiplo. Recentemente, foram abertos ensaios da terapia para pacientes com alguns tipos de tumores sólidos.

O processo de tratamento envolve uma série padrão de etapas:

Avaliação: Os pacientes são submetidos a vários testes e exames para determinar se a terapia com células T CAR é apropriada para eles.

Coleta: As células T são coletadas dos pacientes por aférese, um processo no qual o sangue passa por uma máquina que separa as células T e devolve o sangue restante ao paciente

Engenharia: As células T são enviadas para um laboratório onde são geneticamente modificadas para produzir receptores quiméricos de antígeno (CARs) em sua superfície. Os CARs são proteínas que permitem que as células T reconheçam proteínas chamadas antígenos na superfície das células tumorais alvo.

Multiplicação: as células T geneticamente modificadas são cultivadas em laboratório até que existam milhões delas, o que pode levar algumas semanas. Quando existem células CAR CAR suficientes, elas são congeladas e enviadas ao hospital ou centro onde o paciente está sendo tratado.

Condicionamento terapêutico: Antes de receber uma infusão das células T CAR, os pacientes podem receber quimioterapia para o câncer. Isso ajuda a criar espaço para as células T CAR infundidas se expandirem e proliferarem no corpo.

Infusão: Logo após a quimioterapia, os pacientes são internados no hospital e as células T CAR são re-infundidas em um processo semelhante a uma transfusão de sangue. Este é um procedimento único, embora os pacientes possam permanecer no hospital por várias semanas para monitorar sua resposta ao tratamento, condição geral e efeitos colaterais.

Recuperação: O período de recuperação da terapia com células T CAR dura aproximadamente dois a três meses. Após receberem a infusão de células T CAR, os pacientes são internados no hospital por uma a três semanas, para que os médicos possam monitorar sua resposta à terapia e gerenciar quaisquer efeitos colaterais.

Embora o tipo e a gravidade dos efeitos colaterais variem de paciente para paciente, existe um risco significativo de que complicações ocorram poucas semanas após o tratamento. Na maioria das vezes, essas complicações são temporárias e desaparecem por conta própria ou com tratamento. Os possíveis efeitos colaterais incluem a síndrome de liberação de citocinas, uma condição inflamatória com sintomas semelhantes aos da gripe, como febre alta e / ou calafrios, mas pode incluir pressão arterial baixa e dificuldade em respirar, além de outras disfunções orgânicas; e dificuldades neurológicas como confusão, dificuldade em entender a linguagem e a fala, ou estupor.

Após a alta do hospital, os pacientes têm consultas periódicas de acompanhamento nos próximos meses para serem avaliadas quanto a efeitos colaterais e resposta à terapia. É possível, mas incomum, que os pacientes sejam readmitidos no hospital durante esse período com efeitos colaterais recorrentes.

As avaliações de quão bem os pacientes respondem à terapia variam de acordo com o tipo de câncer que está sendo tratado. Pacientes com LLA-B realizam biópsia da medula óssea um mês após a infusão de células T CAR. Pacientes com linfoma não-Hodgkin de células B fazem um exame PET um mês após o tratamento. Os pacientes são atendidos pelo médico a cada três ou três meses pelos próximos anos, durante os quais são monitorados quanto à recidiva da doença com exames de sangue, exames físicos e / ou biópsias da medula óssea e exames de PET ou CT.

Como cada paciente é diferente, os pacientes devem conversar com seu médico sobre cada aspecto do tratamento e levantar quaisquer preocupações que possam ter.

Compartilhe
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

Agendar consulta

Para solicitar uma consulta em nossa clínica é só utilizar o formulário abaixo.
Open chat